Aliança Renault-Nissan registra recorde de vendas em 2011 pelo terceiro ano consecutivo

Postado por -

A Aliança Renault-Nissan comercializou um número recorde de 8.029.222 veículos em 2011, ou seja, uma progressão de 10,3% em relação a 2010, estimulada pelo dinamismo das vendas nos mercados emergentes e nos Estados Unidos. 

As vendas tiveram um aumento pelo terceiro ano consecutivo. A Renault comercializou 2.722.062 veículos em escala mundial, em alta de 3,6% em relação a 2010. A Nissan comercializou 4.669.981 veículos, em alta de 14,4%. A contribuição da Lada é de 637.179 veículos, ou seja, uma progressão de 10,9% em relação ao ano anterior.

Portanto, a Aliança Renault-Nissan obteve uma participação do mercado mundial de 10,7%* em 2011, em alta em relação à de 2010 (10,3%). 

“A Aliança aproveitou a recuperação da economia nos Estados Unidos e conquistou importantes participações de mercado nas regiões que serão os motores do crescimento no século 21”, declarou Carlos Ghosn, Presidente e CEO da Aliança Renault-Nissan. “Um crescimento superior a 10% é o testemunho de uma sólida progressão, mesmo que durante o ano tivemos que enfrentar o terremoto e o tsunami no Japão, além do vigor anormal do iene e uma crise financeira na Europa.”

Grupo Renault

Em 2011, a Renault registrou um recorde de vendas com 2,7 milhões de veículos vendidos, com uma alta de 3,6% em relação ao ano anterior. As vendas fora da Europa representaram 43% do total, atingindo um recorde de 1.172.686 veículos. Em alta de 19,2%, elas foram impulsionadas pela expansão rápida de mercados como a Rússia (+40%), a Turquia (+13%) e a América Latina (+10%).

O forte crescimento foi alavancado pela marca Renault, com 2.260.694 de veículos vendidos, ou seja, uma progressão de 6,8% em relação a 2010. A marca representa 83% das vendas do Grupo. As vendas da Dacia, que enfrentou problemas de abastecimento devido ao tsunami no Japão, estão em queda de 1,8%. As vendas da Renault Samsung Motors estão em recuo de 27%.

Em 2011, nos dez primeiros mercados do Grupo, seis eram localizados fora da Europa. O Brasil substituiu a Alemanha na segunda posição atrás da França na classificação dos principais mercados da Renault. No Brasil, onde uma expansão da capacidade de produção da Renault está prevista para 2013, as vendas da Renault tiveram um aumento de 21%, detendo um recorde de 194.300 veículos, em um mercado que registrou uma expansão de 3%. A participação de mercado da Renault atingiu 5,7%, em alta de 0,9 ponto em relação a 2010, graças principalmente à demanda de modelos como o Novo Sandero, Logan e Clio.

Na Rússia, a Renault teve recorde de vendas e de participação de mercado. As vendas tiveram alta de 60%, com 154.734 veículos, o que faz deste país o mercado da Renault que teve maior crescimento. A participação de mercado atingiu 5,8%, em alta de 0,7 ponto em relação ao ano anterior. Os modelos Logan, Sandero e Fluence estão no topo das vendas. 

Apesar das incertezas econômicas e da perda de confiança dos consumidores na Europa, a Renault se mantém como a segunda marca, conquistando uma participação de 8,6% do mercado de veículos de passeio e utilitários. Os veículos de passeio da Renault mais vendidos na Europa são Mégane, Clio e Twingo. Além disso, a Renault está no topo das vendas de veículos utilitários na Europa pelo décimo quarto ano consecutivo, com uma participação de mercado de 15,6%. 

Nissan

A Nissan registrou vendas mundiais sem precedentes, com 4,67 milhões de veículos em 2011, em alta de 14,4% em relação a 2010.

Na China, principal mercado da Nissan, a montadora atingiu um recorde de vendas de 1.247.738 veículos, uma progressão de 21,9% em relação a 2010, com destaque para os sedans Sunny e Teana, que se beneficiam de um grande sucesso.

No continente americano, a Nissan anunciou um recorde de vendas de 1.561.230 veículos para as marcas Nissan e Infiniti em toda a região, que engloba a América do Norte, a América Central e a América do Sul, com uma progressão de 17,2% em relação ao ano anterior. Só a marca Nissan obteve uma participação de mercado de 7,5%, em alta de 0,6 ponto, o que faz da Nissan a 2ª marca asiática de automóveis da região. 

Os Estados Unidos, o México e o Brasil apresentaram os maiores progressões por país. As vendas nos Estados Unidos atingiram no total um pico de 1.042.534 veículos, ou seja, uma alta de 14,7% em relação a 2010, com destaque para o compacto Versa e o crossover Rogue. O sedan Nissan Altima, que também manteve suas vendas durante o ano, continua entre os veículos os mais vendidos nos Estados Unidos. A participação de mercado nos Estados Unidos aumentou, ficando em 8,2%. 

No México, onde a Nissan abrirá uma terceira fábrica em 2013 para sustentar o seu crescimento rápido em todo o continente americano, as vendas cresceram 18,6%, enquanto que a participação de mercado atingiu um pico de 24,8%.

No Brasil, onde a Nissan pretende construir sua primeira fábrica em Resende em 2014, as vendas da Nissan praticamente dobraram, chegando em 67.097 veículos. A Nissan foi a marca de automóveis que teve o maior crescimento no Brasil em 2011. 

No Japão, a Nissan anunciou a comercialização de 591.312 veículos, em queda de 8,4% de um ano para o outro, em um mercado que recuou 15%. A participação de mercado da Nissan aumentou um ponto, com 14%. O Nissan Serena foi o monovolume que obteve o maior sucesso no país, com 84.359 veículos vendidos.

Na Europa, a Nissan registrou um recorde de vendas de 695.703 veículos, em alta de 25,4% no acumulado anual, graças à explosão da demanda de seus crossovers Qashqai e Juke. A sua participação de mercado atingiu um recorde de 3,7%, contra 3,1% em 2010. Na Rússia, primeiro mercado da Nissan na Europa, as vendas deram um salto de 73,1%, o que representa quase 60.000 veículos.

AvtoVaz Lada

A primeira montadora na Rússia comercializou 637.179 veículos no mundo em 2011, em alta de 10,9% em relação a 2010. As vendas na Rússia representaram 578.387 veículos vendidos, em alta de 10,6% em relação a 2010. A participação de mercado da marca representa 0,9% no mundo e 21,6% na Rússia.

Zero emissão 
Em outubro, a Renault iniciou a comercialização do Kangoo Z.E., eleito veículo utilitário internacional do ano [International Van of the Year] de 2012. Até hoje, os clientes frotistas encomendaram mais de 15.000 Kangoo Z.E. Em dezembro, a Renault iniciou a produção do Fluence Z.E., o carro de luxo totalmente elétrico inspirado no clássico sedan Fluence. 

A Renault lançará o Twizy no segundo trimestre de 2012 e o ZOE no segundo semestre. 

Em 2011, a Nissan comercializou mais de 22.000 Nissan LEAF. Este veículo elétrico se destacou por ter registrado as melhores vendas até o momento, cuja comercialização foi iniciada pela Nissan em dezembro de 2010. Em 2011, o Nissan LEAF foi eleito carro internacional do ano, carro do ano no Japão e carro do ano na Europa.

Mais de 80% dos proprietários de Nissan LEAF nos Estados Unidos jamais haviam possuído um carro Nissan anteriormente. Em 2012, a Nissan vai permitir que todos os 50 Estados americanos e um grande número de países europeus tenham acesso ao LEAF.

A Aliança é a única montadora que oferece uma gama completa de carros com zero emissão, que podem ser recarregados com energia puramente renovável. A Aliança pretende vender um total de 1,5 milhão de carros zero emissão até 2016, considerando a totalidade das suas marcas.

SOBRE A ALIANÇA RENAULT-NISSAN
A Aliança Renault-Nissan é uma parceria estratégica entre a Renault, sediada em Paris, e a Nissan, sediada em Yokohama, no Japão, que juntas vendem um carro a cada 10 no mundo. Parceiras estratégicas desde 1999, as empresas venderam 8,03 milhões de carros em 2011, incluindo aqueles da parceira russa AvtoVAZ. Desde sua criação, há 12 anos, esta aliança transcultural entre a Renault e a Nissan se desenvolveu consideravelmente, principalmente nos mercados emergentes.

Fonte: Renault press

Samoel Weck é jornalista e apresentador de rádio e TV a 30 anos. Diretor e responsável pela Mídia Carros e Marcas, que engloba o Portal Carros e Marcas e o Programa Carros e Marcas TV.