Autódromo de Interlagos antes mesmo do que se imagina

Postado por -

 No último dia 27 de novembro, o Autódromo José Carlos Pace em São Paulo, recebeu mais um GP Brasil de Fórmula 1. Pela trigésima vez, a principal categoria do automobilismo desfilava com seus carros pelas curvas e retas de Interlagos, levando todos os apaixonados por velocidade á loucura.

Muitos acreditam que circuito surgiu nos anos de 1970, quando Emerson Fittipaldi venceu uma prova do Torneio Internacional de Fórmula Ford e dois anos depois recebia uma etapa extra do mundial de Fórmula 1, vencida pelo argentino Carlos Reutemann. É verdade que a pista ganhou notoriedade nesse momento, porém suas atividades começam bem lá atrás.

O desenvolvimento da indústria automobilística brasileira no final do século XIX e começo do século XX, somado ao processo de urbanização da cidade de São Paulo, fez com que surgisse a necessidade da construção de um local especifico para a realização de testes e futuras competições entre marcas. Já se tornava muito arriscado realizar provas em circuitos de rua com carros cada vez mais potentes.

Os primeiros passos de Interlagos surgiram na década de 1920, quando o engenheiro britânico Louis Romero Sanson tinha em suas mãos um plano de imobiliário para a região sul da cidade, que tinha como um dos seus atrativos o circuito, mas a quebra da bolsa de Nova York, em 1929 e a Revolução Constitucionalista de 1932 estagnou o projeto.

Após esse momento começavam timidamente o retorno das provas de rua não apenas em São Paulo. No dia 8 de outubro de 1933, foi realizada a primeira corrida de automóveis de caráter internacional do país, o 1º Grande Prêmio Internacional da Cidade do Rio de Janeiro. A prova aconteceu no chamado Circuito da Gávea.

No ano de 1936, era realizada na capital paulista a primeira edição do GP Cidade de São Paulo, prova que foi um divisor de águas para o automobilismo, não pelo evento em si, mas pela tragédia que ocorreu. Um acidente envolvendo a piloto francesa Mariette Hélène Delangle e o brasileiro Manuel de Teffé deixou 34 pessoas feridas e seis mortos.

Esse episódio trágico fomentou novamente a necessidade da construção de um local específico para a competição de carros. Assim o projeto Interlagos foi retomado.

Sua inauguração oficial foi em 12 de maio de 1940 com o 3º Grande Prêmio Cidade de São Paulo e uma corrida de motos. Cerca de 15 mil pessoas prestigiaram a abertura do primeiro autódromo brasileiro. A corrida foi vencida pelo piloto Arthur Nascimento Júnior, que completou as 25 voltas da prova com seu Alfa Romeo 3500cc em 1h46min44s.

Apesar de ser conhecido internacionalmente como berço do nosso automobilismo, os seus até então 7960 metros de extensão eram bastante mal tratados. O mato crescia ao redor da pista, seu asfalto era excessivamente abrasivo, o  traçado desafiava  os pilotos e o público aguardava ansiosamente as ultrapassagens. Nessa época era o talento que predominava, jogo de equipe entre os pilotos nem pensar, bons tempos que não voltarão…

Mesmo com o toda a tecnologia e forte apelo comercial, Interlagos não perdeu o seu encanto e magia. Em seus 71 anos, suas curvas e retas aguardam ansiosamente o surgimento de novos gênios do esporte a motor como Bird Clemente, Emerson Fittipaldi e Ayrton Senna. Alguém se habilita?

Não deixe de participar! Semanalmente estarei escrevendo sobre  automobilismo aqui neste espaço. Mande críticas, elogios e sugestões  para o e-mail: alanjohnny@carrosemarcas.com

Fonte: Pelas Pistas

Samoel Weck é jornalista e apresentador de rádio e TV a 30 anos. Diretor e responsável pela Mídia Carros e Marcas, que engloba o Portal Carros e Marcas e o Programa Carros e Marcas TV.