Na primeira vitória de Dahmer, GP Light tem três marcas no pódio do Moto 1000 GP

Postado por -

Gaúcho da K Racing leva Honda ao pódio do GP Campo Grande e reduz vantagem do líder do Brasileiro de Motovelocidade

A galeria de pilotos vencedores da categoria GP Light no Moto 1000 GP ganhou neste domingo (26) seu 18º nome. Marcelo Dahmer, gaúcho que pilota a Honda número 49 da K Racing, conquistou de ponta a ponta a sua primeira vitória no Campeonato Brasileiro de Motovelocidade. Com o resultado, o piloto da cidade de Três de Maio manteve a vice-liderança da temporada e reduziu a 15 pontos sua desvantagem em relação ao paranaense Rafael Nuns.

A corrida no Autódromo Internacional de Campo Grande teve pilotos de três marcas diferentes de motocicletas no pódio. Além da Honda, que venceu com Dahmer, a festa de premiação teve a presença da Suzuki e da Kawasaki. Nunes, piloto do Team Suzuki-PRT, cruzou a linha de chegada em segundo, a menos de três segundos do vencedor. O brasiliense Henrique Castro, da City Service BSB Motor Racing, alcançou o terceiro lugar na última volta.

Nunes e Dahmer chegaram a Campo Grande separados por 20 pontos no topo da tabela de classificação do Brasileiro de Motovelocidade. O gaúcho obteve o ponto de bonificação pela conquista da pole position; o paranaense anotou o ponto de bônus pela volta mais rápida da corrida. Com isso, a queda na diferença deu-se pelos cinco pontos a mais marcados pelo vencedor após as 14 voltas de prova. Nunes lidera com 88 pontos, contra 73 de Dahmer.

Os dois primeiros na corrida e no campeonato estiveram no pódio três vezes, cada, em 2015. Nunes foi vencedor da primeira etapa, em Curitiba, e da terceira, em Goiânia, além de obter a segunda colocação neste domingo no GP Campo Grande – em Cascavel, na segunda prova, foi quarto. Dahmer, depois do quinto lugar em Curitiba, foi segundo em Cascavel, terceiro em Goiânia e, em Campo Grande, comemorou a primeira pole a primeira vitória.

Dada a largada, enquanto Marcelo Dahmer manteve-se à frente, Sandro Campos provocou uma reação efusiva da torcida ao ultrapassar Rafael Nunes para assumir a vice-liderança da corrida. Edson Luiz e Luciano Donato tiveram quedas na segunda volta – Donato conseguiu voltar à disputa. Campos seguia provocando reações da torcida nas arquibancadas e nos camarotes ao reduzir a vantagem de Dahmer à razão de um décimo de segundo por volta.

Enquanto os dois primeiros distanciavam-se dos demais e Dahmer abria em relação ao rival sul-mato-grossense, a disputa pelo terceiro lugar seguia acirrada entre Rafael Nunes, Pedro Lins, Henrique Castro e Jean Vieira. Castro tomou o quarto lugar de Lins na abertura da sétima volta, instantes antes de Vieira sair da pista e perder contato com o pelotão. A partir da metade, a prova assumiu um contexto bastante favorável a Dahmer.

Nunes, pressionado por Castro, começou a se aproximar de Campos. O paranaense do Team Suzuki-PRT, líder da temporada, ultrapassou o piloto da casa na décima volta da corrida, ao fim da reta oposta. Em terceiro, Campos mal percebia as manifestações de apoio dos torcedores enquanto tratava de se manter à frente de Castro – que havia conquistado na etapa de Campo Grande a sua primeira vitória na GP Light, em 2013 – e Lins.

Nunes imprimia um ritmo forte e se aproximava do líder Dahmer. Abriu a última volta a três segundos e meio do líder. Foi também na última volta que Castro assegurou sua vaga no pódio, ultrapassando Campos na primeira curva do traçado. O piloto de Campo Grande chegou a ser ultrapassado também por Lins, mas recuperou a quarta posição superando o carioca na reta de chegada – a diferença final entre os dois foi de 12 milésimos de segundo.

MOTO 1000 GP – GP CAMPO GRANDE – GP LIGHT
(Resultado da quarta etapa do Brasileiro após 14 voltas)
1º) Marcelo Dahmer (RS/Honda), K Racing, 21min25s427
2º) Rafael Nunes (PR/Suzuki), Team Suzuki-PRT, a 2s960
3º) Henrique Castro (DF/Kawasaki), City Service BSB Motor Racing, a 7s239
4º) Sandro Campos (MS/Kawasaki), Fura 300 Racing, a 8s005
5º) Pedro Lins (RJ/Honda), Center Moto Racing Team, a 8s017
6º) Jean Vieira (SC/Kawasaki), MS Racing Team, a 12s677
7º) Ricardo Levy (SP/Ducati), DRT, a 27s574
8º) Márcio Pereira (SC/BMW), MS Racing Team, a 28s776
9º) Erlon Franco (MS/Kawasaki), Target Race Superbike Team, a 44s732
10º) Marcos Ramalho (PR/Kawasaki), 2MT-PRT, a 51s227
11º) Von Braun (MS/BMW), Dawnriders Racing Team, a 1min19s666
12º) Danilo Berto (SP/Ducati), DRT, a 1 volta
NÃO COMPLETARAM
Luciano Donato (SP/BMW), BMW Motorrad Petronas Racing, a 7 voltas
Edson Luiz (SC/Kawasaki), 2MT-PRT, a 13 voltas
Melhor volta: Nunes, na 11ª, 1min30s353, média de 139,971 km/h

CLASSIFICAÇÃO
Após quatro etapas, a classificação do Brasileiro de Motovelocidade na categoria GP Light é: 1º) Rafael Nunes, 88 pontos; 2º) Marcelo Dahmer, 73; 3º) Henrique Castro, 57; 4º) Jean Vieira, 46; 5º) Ricardo Levy, 36; 6º) Ricardo Negretto, 29; 7º) Marcos Ramalho, 31; 8º) Diogo Ramos, 27; 9º) Edson Luiz e Pedro Lins, 23; 10º) Erlon Franco, 22; 11º) Luciano Donato e Márcio Pereira, 15; 13º) Sandro Campos, 13; 14º) Fabiano Hazan e Gian Filippis, 9.

As motocicletas do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade utilizam a gasolina Petrobras Podium e o óleo lubrificante Lubrax Tecno Moto. Petrobras e Lubrax patrocinam a competição ao lado da Michelin, que fornece pneus a todas as equipes participantes. O Moto 1000 GP também conta, em sua quinta temporada de história, com apoio de Beta Ferramentas, Puig, MSR Macacões Personalizados, Servitec, LeoVince, Shoei e Tutto Moto.