Renault apresenta o Duster e mostra aos brasileiros que ter um utilitário esportivo na garagem não é um sonho distante

Postado por -

Uma viagem com a família no campo ou uma trilha com amigos por terrenos onde nenhum carro de passeio ousaria chegar? Um passeio de fim de semana no shopping ou o trânsito pesado do dia a dia de uma grande cidade? Para o Renault Duster, tanto faz, pois essa versatilidade é um das mais importantes características desse novo lançamento da marca no Brasil. O novo utilitário esportivo da Renault do Brasil, que começa a ser fabricado e vendido no mercado nacional, mostrará aos brasileiros que ter um autêntico SUV (Sport Utility Vehicle) na garagem não é um sonho distante.

O Duster é um modelo que reúne todos os atributos que os consumidores desse concorrido segmento de mercado buscam: conforto, espaço, sofisticação e a valentia de um verdadeiro 4×4, refletindo a atual filosofia de trabalho “Mude a Direção”, adotada pela Renault: construir carros a partir das pessoas.

“Com a chegada deste SUV, a gama da Renault no Brasil fica ainda mais completa, com modelos capazes de satisfazer as mais diferentes necessidades dos consumidores em diferentes segmentos. Nosso plano é aumentar a participação no mercado brasileiro, e o Duster desempenhará papel decisivo para que tal objetivo seja alcançado”, explica Jean-Michel Jalinier, Presidente da Renault do Brasil.

Os números comprovam a afirmação de Jalinier. O volume de vendas de modelos SUVs no mercado brasileiro de veículos de passeio entre os anos de 2000 e 2010 registrou um crescimento superior a 16 vezes, enquanto o mercado cresceu 2,2 vezes no mesmo período. Em termos de participação do segmento SUV no mercado, houve um salto de 1% das vendas de veículos de passeio, em 2000, para 7,6% no ano passado.

A equipe do Renault Design América Latina (RDAL) trabalhou no desenvolvimento do desenho interno e externo tornando o modelo mais adequado ao desejo do cliente brasileiro. O desenho externo do Renault Duster remete à robustez, principalmente pelos contornos sobressaltados dos para-lamas e pela presença de linhas que transmitem a sensação de força em toda a carroceria. A equipe do RDAL desenvolveu um novo para-choque traseiro para deixar a peça mais harmoniosa e com um desenho que transmitisse mais robustez, além de ser mais adequada ao gosto dos consumidores brasileiros.

No interior, os profissionais do Renault Design América Latina conceberam um habitáculo totalmente novo, quando comparado à versão comercializada na Europa. O quadro de instrumentos e o painel central ganharam um novo desenho. A versão brasileira, além de novos tecidos, também conta com novas espumas dos bancos, desenvolvidas pelo RDAL, com as partes laterais mais realçadas, contribuindo assim para dar mais conforto e abrigar melhor o corpo de motorista e do carona. Novas harmonias internas, contribuem para um interior arejado e transmitem a ideia de luxo, devido, principalmente, à qualidade dos materiais utilizados. Para as versões mais completas, a equipe de designers desenvolvem um interior com duas tonalidades de cor, detalhe que as deixa ainda mais sofisticadas.

Graças às suas dimensões internas, o Duster tem o maior espaço interno da sua categoria. Sendo assim, uma de suas grandes vantagens é o de transportar com conforto e comodidade cinco passageiros. Os passageiros dos assentos traseiros possuem amplo espaço para ombros, pernas e cabeça.

O Renault Duster joga no time dos autênticos SUVs e, por isso, uma característica presente em todo o processo de concepção, desenvolvimento e produção é a robustez. Desde seu projeto inicial, o veículo foi concebido para ser um 4×4 robusto. Com sistema de tração nas quatro rodas, pneus de uso misto, posição de dirigir elevada e generosos ângulos de entrada e saída além da altura em relação ao solo, o utilitário é capaz de rodar com conforto no asfalto e enfrentar situações adversas fora-de-estrada.

O Duster é oferecido em seis versões de acabamento, com dois diferentes motores (1.6 16V Hi-Flex e 2.0 16V Hi-Flex) e duas opções de tração (4×2 ou 4×4). Todas as versões de acabamento do Duster já oferecem de série os itens mais valorizados pelos consumidores brasileiros de veículos SUV: direção hidráulica, ar-condicionado e vidros e travas elétricas.

O modelo, que é sucesso comercial em dezenas de outros países, e começa a ser produzido no Brasil teve o desenvolvimento de vários sistemas para o nosso mercado. São 774 novas peças em relação ao Duster comercializado na Europa. As principais mudanças foram nos sistema de suspensões, motores, câmbios, conforto acústico para o , realizado pelo Renault Tecnologias Américas (RTA), que conta com cerca de 1.000 engenheiros nas Américas, dos quais mais de 600 em São José dos Pinhais. “Nossa preocupação é desenvolver produtos adequados às preferências dos brasileiros, por isso o Duster nacional apresenta importante e significativas diferenças estéticas, de material e técnicas em relação ao modelo comercializado na Europa”, afirma Jalinier.

Outro ponto importante para o cliente é o fato do Duster contar com uma garantia original de fábrica de 36 meses, o que possibilita um baixo custo de manutenção e atesta a robutez do veículo. O modelo brasileiro ainda acena com uma completa linha de acessórios feita sob medida para o Brasil, alguns deles com funções que vão muito além da estética.

ROBUSTEZ, ESPAÇO INTERNO,
VERSATILIDADE E DESIGN SÃO DESTAQUES

DESIGN
Em termos de design, tudo no Renault Duster remete à robustez, e seu porte imponente faz o modelo impor-se nas ruas. As amplas dimensões externas conferem ao Duster a imagem de um veículo imponente, mas sem que isso comprometa a dirigibilidade nos grandes centros urbanos e/ou em condições off-road.

Na dianteira, a grade frontal, com três largos filetes cromados, chama a atenção e é tradicionalmente utilizada em modelos SUVs de luxo. O conjunto óptico dos faróis abriga também as luzes indicativas de direção. Abaixo, está uma grande tomada de ar, formando um conjunto imponente e agressivo, características de um carro capaz de enfrentar as mais adversas condições de rodagem.

Lateralmente, destaque para os para-lamas dianteiros e traseiros, cujos contornos sobressaltados dão ao Duster uma aparência musculosa. O SUV da Renault também apresenta vincos em forma de arco que percorrem as duas portas e conferem mais dinamismo à carroceria.

Na traseira, o vidro da tampa do porta-malas é amplo, e sobre a placa, está um largo friso cromado, com o nome Duster logo acima. Em peça única de formato vertical, lanterna, setas e luzes de ré estão em elementos bem definidos. A equipe do Renault Design América Latina (RDAL), centro de estilo instalado no Brasil, desenvolveu um novo para-choque traseiro para deixar a peça mais harmoniosa e com um desenho que transmitisse mais robustez, além de ser mais adequada ao gosto dos consumidores brasileiros.

A equipe do RDAL trabalhou numa nova tonalidade de cor exclusiva para o Duster: o Verde Amazônia, inspirado nas riquezas naturais do país. “O verde não é uma cor popular no Brasil porque este tom é usado por aqui de forma muito conservadora e sem brilho. Por isso, no Duster, acrescentamos um pigmento amarelo. O resultado foi uma cor metalizada e com boa interação com a luz do dia. Pensamos na utilização on e off road e realçar as formas do carro”, explica Vincent Pedretti, Designer-Chefe do RDAL.

A equipe do Renault Design América Latina (RDAL) também trabalhou no desenvolvimento de um interior totalmente novo, quando comparado à versão vendida na Europa, e desenvolvido para atender às necessidades e exigências dos clientes brasileiros de veículos SUV.

“Os consumidores brasileiros dão muita atenção ao interior dos veículos e, quando se trata de um SUV eles esperam sempre o melhor e não querem um interior igual ao de um carro de passeio. Por isso, nossa preocupação com a qualidade”, explica Pedretti.

Por conta disso, o trabalho dos profissionais do RDAL no interior do Duster comercializado no Brasil resultou em novos quadros de instrumentos e painel central, além de novas espumas nos bancos, com as partes laterais mais realçadas, contribuindo assim para dar mais conforto e segurar melhor o corpo de motorista e do carona.

Houve também o desenvolvimento de novas harmonias internas de tecidos e de acabamentos, que contribuem para um interior arejado e, juntamente com a qualidade dos materiais utilizados, transmitem ideia de luxo e sofisticação. Para as versões mais completas, o RDAL desenvolveu um interior com duas tonalidades de cor, o que as deixa ainda mais sofisticadas.

ESPAÇO INTERNO
O Duster tem um excelente espaço interno. Sendo assim, uma de suas grandes vantagens é o de conseguir transportar com conforto e comodidade cinco passageiros. Os passageiros dos assentos traseiros possuem amplo espaço para ombros, pernas e cabeça.

O Renault Duster também oferece bom espaço não só para passageiros, mas para as bagagens também. O porta-malas, que conta com capacidade para até 475 litros. Com o banco traseiro rebatido, é possível levar ainda mais objetos, de bicicleta a pranchas de surfe, fazendo do Duster um veículo adequado ao lazer.

Já o motorista se beneficia da elevada posição de dirigir, típica de um SUV. Além disso, todos os comandos estão à mão, inclusive os botões de acionamento dos vidros elétricos, que estão localizados na porta – na Europa, eles estão no painel central. O volante de três raios oferece boa empunhadura.

O rádio do Duster é integrado ao painel de grandes dimensões e foi desenvolvido no Brasil. Este equipamento, além de rádio AM/FM e CD-Player, conta com o sistema de áudio “3D Sound by Arkamys” e reproduz músicas nos formatos MP3, WMA e WMV. Em sua parte frontal, ele contará com duas entradas: uma auxiliar, do tipo “jack”, e outra para conexão USB/iPod – permitindo aos ocupantes desfrutarem da sua biblioteca pessoal de música -, tudo isso controlado pelo comando satélite instalado na coluna de direção.

A liberdade para as mãos também foi pensada na hora da comunicação eletrônica. Por isso, o sistema de som conta com a tecnologia Bluetooth, que permite conectar um telefone celular ao sistema de áudio do veículo, permitindo ao usuário realizar e atender chamadas pelo comando satélite, além de ouvir as músicas armazenadas no seu celular.

O quadro de instrumentos, onde estão conta-giros e velocímetro, apresenta padrão visual exclusivo para o Duster. A iluminação dos instrumentos é na cor âmbar, que não cansa os olhos no escuro. O painel é completo, com velocímetro, conta-giros, indicador digital do nível de combustível e de temperatura da água. Nas versões mais completas, existe ainda o computador de bordo.

ROBUSTEZ
O Renault Duster é um autêntico utilitário esportivo: pela concepção, desenho externo, espaço interno, altura livre em relação ao solo e pela disponibilidade de dois tipos de tração 4×4 e 4×2.

O novo modelo da Renault permite ao motorista guiar em outros tipos de terrenos, além do asfalto, graças, por exemplo, aos bons ângulos de entrada e de saída: 30 graus e 35 graus, respectivamente.

Outro fator determinante para um bom fora-de-estrada é a altura livre em relação ao solo, que no caso do Renault Duster é de 210 mm, o que permite ao novo SUV da Renault superar subidas e descidas, irregularidades presentes nos terrenos fora de estrada, além de terrenos alagados. Por falar em terrenos alagados, em testes realizados pelos técnicos da Renault do Brasil, o Duster venceu regiões alagadas com até 400 mm, adversidade comum nas grandes cidades brasileiras principalmente durante as chuvas de verão e em alguns trajetos off-road.

O Renault Duster foi feito para quem realmente quer ou precisa de um utilitário esportivo com tração nas quatro rodas. O controle é feito pelo motorista, que tem no painel um botão com as posições 2WD, Auto e Lock.

No modo 4×2 (2WD) a distribuição de torque é feita nas duas rodas frontais e, em condições de piso seco e aderente, o motorista conseguirá otimizar o consumo de combustível do veículo.

Na posição “Auto”, a distribuição do torque é feita entre os eixos dianteiro e traseiro, conforme a aderência do piso pelo qual estiver trafegando o utilitário esportivo. Tal comando permite a melhor adequação entre dirigibilidade e tração e auxilia o motorista em situações difíceis.

A função “Lock” permite ao veículo trafegar em condições de terreno mais adversas, como na lama e na areia. O mecanismo deve ser usado sempre que o veículo trafegar por trechos que ofereçam o mínimo de atrito e é fundamental, por exemplo, quando um dos pneus perde contato com o solo ou patina por absoluta falta de aderência. A função “Lock” é programada para ser desativada, de forma automática, quando o veículo ultrapassa 80 km/h.

Outro recurso off-road importante oferecido pelo Duster 4×4 é a primeira marcha reduzida, que facilita ao veículo encarar uma subida íngreme e também rebocar.

VERSATILIDADE
A versatilidade também está presente no interior do Duster, devido a presença de vários porta-objetos, espalhados pelo interior do veículo, o que facilita a vida a bordo. Além dos tradicionais porta-objetos nas laterais internas das portas e os porta-copos (situados no console inferior, próximos à alavanca de câmbio), o Duster traz ainda um porta-objetos na parte superior do painel e outro situado no painel à frente do passageiro dianteiro, facilitando a acomodação e o acesso de vários itens. Na parte central do teto, está um grande porta-objetos, numa prática peça única que parte do retrovisor interno, bem ao alcance de motorista e passageiro. Entre os dois bancos da frente, também há um compartimento onde podem ser guardados outros objetos.

Dentro desta filisofia de oferecer o máximo de versatilidade, a gama de versões do Renault Duster é bem completa.

O Renault Duster começa a ser vendido no mercado brasileiro em seis versões e com duas opções de motor: 1.6 litro e 2.0 litros, ambos 16V Hi-Flex. “O objetivo é oferecer uma gama completa para atender aos clientes mais exigentes, que valorizam os itens de conforto, detalhes estéticos diferenciados e, também, aos que estão preocupados com o preço”, explica Frédéric Posez, Diretor de Marketing da Renault do Brasil. “Seja para um passeio no campo, para uma trilha ou uso na cidade, o Duster dá conta do recado”, acrescenta. As versões disponíveis são as seguintes:

Duster 1.6 16V: É o modelo de entrada da gama, tem tração 4×2 e traz sob o capô o motor 1.6 16V Hi-Flex, regido por um câmbio mecânico de cinco marchas. Esta versão já vem equipada com roda 16” e os itens de conforto mais valorizados pelos consumidores brasileiros tais como ar-condicionado, direção-hidráulica, vidros dianteiros elétricos, travas elétricas e regulagem de altura do volante. No exterior, retrovisores e para-choques são pretos.

Duster Expression 1.6 16V: Esta versão intermediária também tem tração 4×2, câmbio mecânico e motor 1.6 16 Hi-Flex. Além disso, vem com airbags duplos, banco do motorista com regulagem de altura, vidros elétricos traseiros e alarme. No exterior, diferencia-se pelas rodas de aço estilizada de 16”, barras no teto e a parte superior dos pára-choques na cor da carroceria.

Duster Dynamique 1.6 16V e Dynamique 2.0 16V: Externamente, chamam atenção as rodas de liga leve (aro 16) e os faróis de neblina. No interior, o volante e a manopla de câmbio são revestidos em couro e o banco traseiro pode ser rebatido (1/3 e 2/3). Entre os itens de conforto estão o computador de bordo, o acionamento elétrico dos retrovisores externos. A segurança é reforçada pela presença do sistema de freios ABS. O opcional fica por conta dos bancos em couro.

Duster Dynamique com câmbio automático: Apresenta todos os itens da versão Dynamique, com o diferencial de contar com o câmbio automático com opção de troca seqüencial. A tração é 4×2 e o motor, 2.0 16V.

Duster Dynamique 4×4: Um legítimo off-road com tração integral e motor 2.0 16V. Além do sistema de tração, diferencia-se por ter roda de liga leve na cor preta, máscaras negras nos faróis de neblina, pára-choques com duas tonalidades e monograma com a inscrição 4WD (4×4).

O Renault Duster está disponível no mercado nacional em sete opções de cores: Prata Etoile, Azul Crepúsculo, Cinza Acier, Vermelho Fogo, Branco Glacier, Preto Nacré e Verde Amazônia, desenvolvida pela equipe de profissionais do Renault Design América Latina exclusivamente para o mercado brasileiro e que sintetiza a essência off-road presente no projeto do Renault Duster

MOTORES E CÂMBIOS
O Duster está disponível com duas opções de motor: 1.6 16V Hi-Flex, presente nas versões de entrada, Expresion e Dynamique; e 2.0 16V Hi-Flex, que equipa as versões Dynamique, Dynamique Automático e Dynamique 4×4. Ambos receberam ajustes específicos, nas partes de eletrônica e mecânica, para se adequarem perfeitamente ao novo utilitário esportivo da Renault.

Motor 1.6 16V Hi-Flex
Utilizado há algum tempo em outros modelos da Renault à venda no mercado nacional, o propulsor 1.6 16V Hi-Flex, produzido na fábrica de motores da Renault em São José dos Pinhais, notabilizou-se pela durabilidade, desempenho e economia de combustível.

O motor foi desenvolvido pela equipe de engenharia da Renault Tecnologias Américas (RTA) para equipar o Duster. Entre os pontos trabalhados por eles estão, por exemplo, a nova calibração e adequação da central eletrônica, além da adaptação do grupo motorpropulsor de acordo com características específicas do utilitário esportivo, como peso e relações de marcha.

Uma das melhorias realizada foi o desenvolvimento do novo sistema de partida a frio com a substituição da eletroválvula pelo quinto bico injetor. Este conjunto permite controlar com mais precisão o tempo e a quantidade de gasolina injetada no coletor de admissão no momento da partida pelo sistema auxiliar.

“Quando o veículo estiver com etanol no tanque, o motorista poderá perceber também que até o tradicional ruído característico da eletroválvula dos sistemas de partida a frio foi reduzido. Embora fosse absolutamente normal, o zumbido incomodava alguns proprietários”, explica Gabriel Bella, engenheiro responsável pela área de desenvolvimento de motor e câmbio da Renault do Brasil.

Instalado transversalmente, o propulsor 1.6 16V Hi-Flex tem duplo comando de válvulas no cabeçote (DOHC, do inglês, Double Overhead Camshaft). Um comando aciona as válvulas de admissão e o outro as de escape. O balancim é roletado, solução que reduz o atrito entre as peças móveis e, conseqüentemente, o consumo. O conjunto mecânico conta com tucho hidráulico, o que dispensa a regulagem das válvulas e reduz o nível de ruído. Equivale a dizer menor necessidade de manutenção.

Com alto índice de nacionalização, este foi o primeiro propulsor multiválvulas do mercado brasileiro a contar com os benefícios da tecnologia bicombustível. Quando abastecido com gasolina, Duster equipado com o motor 1.6 16V Hi-Flex desenvolve 110 cv de potência (5.750 rpm) e 15,1 kgfm de torque máximo (3.750 rpm). Com etanol, são 115 cv (5.750 rpm) e 15,5 kgfm (3.750 rpm). A força se reflete nos números de desempenho. O Renault Duster oferece segurança nas ultrapassagens e apresenta bons índices de retomada de velocidade e aceleração. Alimentado com gasolina, o Duster vai de 0 a 100 km/h em 12,3 segundos e em 11,9 segundos com etanol. A velocidade máxima é de, respectivamente, 163 km/h e 165 km/h.

Motor 2.0 16V Hi-Flex tem significativas evoluções
Os profissionais brasileiros também dedicaram uma atenção especial ao propulsor 2.0 16V Hi-Flex, que teve inúmeras evoluções, visando adequá-lo às características do Duster e às exigências dos clientes brasileiros. Entre as evoluções realizadas destacam-se:
– Nova central eletrônica de maior capacidade com novo software;
– Elevação da taxa compressão de 9,8:1 para 11:1.;
– 5ª válvula injetora de combustível (partida a frio);
– Novo cabeçote;
– Novas válvulas de admissão;
– Novas válvulas de escape;
– Novas guias de válvulas ;
– Novas válvulas injetoras de combustível;
– Novos acentos de válvulas;
– Novos pistões;
– Novos pinos dos pistões;
– Novos anéis corta fogo;
– Novas polias;
– Nova tampa de distribuição;
– Novo suporte do alternador

Os resultados de todas essas evoluções foi o aprimoramento das curvas de desempenho desse propulsor, o que consequentemente, melhorou a sua eficiência e a performance.

O desenvolvimento do sistema bicombustível foi todo feito no Brasil, com nova central eletrônica com maior capacidade de armazenamento de dados, nova calibração e adoção de quinto bico injetor. As mudanças proporcionaram um ganho de torque em baixas rotações e melhoria no nível de consumo de combustível.

Em termos de implantação, foram necessárias modificações no bloco do motor e no cárter de óleo para permitir passagem do módulo 4×4; nas fixações do suporte dos semi-eixos dianteiros, que trazem melhorias acústicas; nas peças ligadas à admissão de ar, como tubos e ressonador.

Este propulsor 2.0 16V Hi-Flex pode trabalhar em conjunto com um câmbio manual de seis velocidades ou automático, que também possibilita a troca manual de marchas. Equipado com este motor bicombustivel, o Renault Duster desenvolve a potência de 142 cv (etanol) / 138 cv (gasolina) a 5.500 rpm e torque máximo de 19,7 kgfm (gasolina) / 20,9 kgfm (etanol) a 3.750 rpm.

Potência e torque domados pelos câmbios manual ou automático
O câmbio automático do Renault Duster possui uma central eletrônica “inteligente”, que avalia, a todo instante, qual a melhor marcha para determinada situação ou o melhor momento para a troca de marchas, em função do estilo de condução do motorista. Essa central trabalha levando em consideração uma série de parâmetros, como rotação do motor, abertura da borboleta e velocidade de acionamento do pedal do acelerador, além de velocidade do carro e carga do veículo.

Este câmbio automático também conta com a função “Kick down”. Acionada quando o motorista pisa até o fim, e de forma rápida, o pedal do acelerador, a central eletrônica avalia e realiza a redução de uma ou duas marchas, conforme os dados avaliados por ela. Essa operação melhora a aceleração disponível, como, por exemplo, na realização de ultrapassagens.

Para os motoristas que não abrem mão da interação com o veículo, o câmbio oferece opção de troca sequencial de marchas. Para isso, basta mudar lateralmente a posição da alavanca. Desta maneira, as machas podem ser passadas com leves toques: para cima (aumenta a marcha) e para baixo (redução de marchas).
O câmbio de cinco marchas que equipa o Duster 1.6 16V Hi-Flex é fabricado no Chile e é da mesma família que está, por exemplo, no Sandero. Porém, para aplicação no utilitário esportivo, utiliza-se um câmbio com maior capacidade de torque (20,4 kgfm ao invés de 16.3 kgfm), dimensionado para um veículo com proposta de uso mais severa, como o Renault Duster.

O câmbio manual do Duster 2.0 16V Hi-Flex teve a relação de marcha especialmente desenvolvida para o mercado brasileiro, já que o modelo comercializado na Europa não conta com essa opção de conjunto mecânico.O câmbio automático, por sua vez, recebeu novo conversor de torque e teve uma nova calibração da central eletrônica, adaptada ao funcionamento e comunicação com a central eletrônica do motor bicombustível.

Já o câmbio que equipa a versão Dynamique 4×4, possui a primeira marcha reduzida e é o mesmo que equipa a versão comercializada na Europa, já que, durante as pesquisas realizadas com os clientes brasileiros, foi possível concluir que as relações dessa caixa atendiam às necessidades e anseios dos consumidores, proporcionando agilidade nas arrancadas e boas retomadas de velocidade.

DESENVOLVIMENTO LOCAL
Para chegar ao mercado brasileiro o Renault Duster percorreu um longo caminho, e essa “viagem” até o início da comercialização contou com a participação decisiva de centenas de profissionais do Brasil. Um exaustivo processo de desenvolvimento e testes se estendeu por mais de um ano e meio, em que foram utilizados 50 veículos e mais de 220 pessoas do Renault Tecnologias Américas (RTA) e do Renault Design América Latina (RDAL).

O Duster vendido no Brasil conta com 774 novas peças em relação ao modelo comercializado na Europa. Um dos objetivos da Renault foi desenvolver um veículo que fosse o mais resistente possível, por isso o Duster foi “castigado” e submetido às mais rigorosas situações para atender o exigente consumidor brasileiro. Os ensaios de rodagem de motor realizados simulam as diversas condições de uso do veículo: cidade com trânsito pesado, ciclos curtos, ciclos mistos, partidas a frio em câmaras frigoríficas, estrada de alta velocidade, passagem em lâmina d’água, estradas de terra e estradas com forte exposição à poeira.

Em relação ao motor e à caixa de marchas, aproximadamente 220 profissionais do Renault Tecnologias Américas estiveram envolvidas diretamente no desenvolvimento destes itens. No Brasil, as equipes atuaram nas evoluções das calibrações dos motores adaptadas ao sistema flex, na confiabilidade, validação, adaptação do desempenho e dirigibilidade às condições de utilização no Brasil. Ao todo, foram cinco mil horas de ensaios em banco e 400 mil quilômetros rodados para o aperfeiçoamento do sistema bicombustível.

A suspensão conta com uma nova calibragem. Molas e amortecedores tiveram calibragem específica para suportar as condições severas de rodagem presentes em território brasileiro.

PÓS-VENDAS E ACESSÓRIOS
A exemplo do que ocorre com todos os automóveis da Renault à venda no mercado nacional, o Duster também oferece três anos de garantia total de fábrica ou 100.000 quilômetros (o que ocorrer primeiro), diferencial que atesta a qualidade e robustez do veículo.

Na hora de fazer a revisão, o cliente já saberá de antemão quanto vai pagar graças à “Revisão Preço Fechado”, programa de manutenção preconizado pela Renault do Brasil com os valores de peças e mão-de-obra praticados em toda a rede de concessionárias da marca no País. Com isto, nas versões com o motor 1.6 16V o cliente tem o custo de R$ 1 Real por dia.

Além disso, completa o benefício o chamado “Pacote Preço Fechado”, reunindo os principais itens de desgaste e manutenção do veículo, como pastilhas de freio, amortecedores e palhetas dos limpadores do pára-brisa.

Reposição rápida
Além de contar com uma rede de concessionárias em todos os 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, a Renault, adota um moderno sistema de armazenagem e distribuição de peças, com dois grandes armazéns: um em Jundiaí (SP), com capacidade para estocar mais de 30 mil componentes, e outro em São José dos Pinhais (PR), com mais de 12 mil itens. O sistema de logística permite que o estoque envie peças diariamente a todos os concessionários do país, atendendo ao cliente no menor tempo possível.

Ao adquirir um Duster, o proprietário conta ainda com o Renault Assistance, serviço de socorro e atendimento emergencial, que funciona 24 horas por dia, no Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Chile. Em caso de acidente, pane elétrica ou mecânica, pneu furado ou localização do veículo pela polícia após furto ou roubo, há envio de socorro mecânico para que o automóvel seja reparado no próprio local. Caso esse reparo imediato não seja possível, é providenciado o reboque do veículo até a concessionária mais próxima.

Deixe o mundo SUV do seu jeito: acessórios reforçam espírito aventureiro
O Renault Duster foi concebido para pessoas com espírito jovem, independentes e que valorizam a imagem. Incrementar o visual do Duster será tarefa fácil com a ampla lista de equipamentos disponível em toda a rede de concessionárias da marca no País.

“Por se tratar de um utilitário esportivo, sabemos que o Duster é um veículo versátil, com uso urbano e off-road, por isso apostamos numa ampla lista de acessórios”, explica Luiz Fernando Pedrucci, Diretor de Pós-Vendas da Renault do Brasil.

Para realçar ainda mais o visual do Duster, a equipe de profissionais do Renault Design América Latina (RDAL) trabalhou no desenvolvimento de um conjunto de componentes. Exclusivo para o mercado brasileiro, esse conjunto de itens aventureiros concebidos pelo RDAL foi dividido em kits, que devem atender a consumidores com diferentes perfis.

Pensando na liberdade de escolha dos consumidores, a Renault dá opção para que os itens contidos nos kits sejam adquiridos separadamente. Além disso, há outros itens à disposição na rede de concessionárias da marca em todo o país: apoio de braço central nas cores preto ou cinza, faróis de neblina, isolamento de porta-malas, pára-barros (dianteiros e traseiros), rede para o porta-malas, soleiras de portas, tapetes de borracha com carpete (para as versões 4×2 e 4×4), vidro elétrico traseiro, ponteira de escamento cromada, calha de chuva, barras de teto longitudinais e até porta-bicicleta para o teto.

Para quem não abre mão de divertimento a bordo, a linha de rádio é composta de seis modelos diferentes fornecidos pela Pioneer ou HBuster. Além disso, há também aparelho de DVD para encosto de cabeça e três modelos de GPS (Magneti Marelli ou Navicity).

Fonte: Renault Press

Samoel Weck é jornalista e apresentador de rádio e TV a 30 anos. Diretor e responsável pela Mídia Carros e Marcas, que engloba o Portal Carros e Marcas e o Programa Carros e Marcas TV.